dafra-2Bmaxsym-2B400

Nova Dafra Dafra Maxsym 400i: Suzuki Burgman 400, você não está mais só.

Grandalhão, scooter tenta conquistar mercado com ‘classe executiva. Apesar de pesado, modelo tem agilidade e espaço para bagagens é trunfo.

Publicado no portal G1.com em 28/11/2014
Na contramão do setor de motos, que apresenta queda nas vendas no ano, o segmento de scooters segue crescendo e ganhando novas opções no Brasil. Um dos principais lançamentos do ano no setor foi o Dafra Maxsym 400i, que custa R$ 21.290, com freios ABS de série. 

Ao contrário do líder deste nicho, o HondaPCX150, o Maxsym não é apenas um modelo utilitário.
Com motor maior e “pompa”, o produto da Dafra tenta oferecer algo mais que a “classe econômica” de PCX, Lead, Burgman e afins, algo como uma “classe executiva”.
Seu principal concorrente é o Burgman 400, que custa R$ 29.100, mas a Suzuki comete a “derrapada” de não ter freios ABS nem como opcional no Brasil, apesar de, no exterior, este sistema de freios estar disponível há anos.

Além disso, com o valor gasto em um Burgman, é possível levar para casa o Maxsym 400i e ainda sobram R$ 7.810. Ou seja, dá quase comprar um PCX, que tem preço sugerido de R$ 8.600. Com posicionamento de mercado mais agressivo, o Maxsym pode conquistar este vácuo no segmento dos scooters intermediários, até então representado apenas pelo caro Burgman 400.

Com 233 kg de peso, o Maxsym é uma moto pesada e tem mais que o dobro de massa que uma CG, que tem 115 kg. Quando em movimento, isto não chega a atrapalhar e o motor consegue movimentar com vigor o scooter, porém, manobrar em baixa velocidade ou mesmo movimentá-lo quando desligado requer certo cuidado.

O modelo também é longo, com 2.270 milímetros, e, por ser envolto por carenagens, característica típica deste segmento, tem um ar pomposo. Detalhes como os retrovisores cromados, lanterna traseira de LED e farol dianteiro anguloso fazem o veículo chamar atenção.

É impossível notar certa “inspiração” no visual do Burgman 400i, porém, o Maxsym dá a impressão de mais modernidade. A posição de pilotar é confortável e a possibilidade de deixar o pé horizontalmente na plataforma ou levemente inclinado mais à frente ajuda a melhorar a circulação nas pernas.

Seu assento possui boa rigidez, sem ser duro ou macio demais, e o pequeno encosto para a lombar do motociclista possui regulagem longitudinal. Há um outro encosto para as costas do garupa, também de grande utilidade.

Apesar de o Maxsym atrair por suas formas, é explorando seu interior que os principais dotes aparecem. Embaixo do banco existe espaço suficiente para levar dois capacetes integrais ou fechados, que protegem inclusive o queixo.

O monocilíndrico, de refrigeração líquida e injeção eletrônica, funciona de maneira linear e possui torque de 3,2 kgfm a 5.500, sendo que a potência máxima de 33,3 cavalos chega em 7.500 rpm. Com estas características, o Maxsym oferece conjunto capaz de realizar longas viagens em estradas também, mantendo velocidade média de 120 km/h com facilidade.

A Dafra divulgou consumo médio de 25 km/l para o Maxsym, o que torna possível ao modelo alcançar autonomia de 370 km, considerando o tanque 14,7 litros.
Na dianteira, o scooter possui roda de 15 polegadas, enquanto na traseira está equipada com roda de 14 polegadas. Sem as rodas “pequenas” de outros modelos do segmento, o veículo não vê problema em transpor pequenos buracos.

Quando se trata de scooters, o comportamento em curvas é inferior ao das motos tradicionais. Com o Dafra não é diferente. Não se pode esperar esportividade nesta situação e as suspensões tendem a balançar um pouco em curvas mais rápidas, mas sem desestabilizar o veículo.
Os amortecedores são macios, o que ajuda no conforto em piso levemente irregular, porém, em condições de asfalto ruim, as pancadas de final de curso nas suspensões são recorrentes. Isso acaba fazendo a lombar sofrer um pouco, nada anormal dentro deste segmento.

Na dianteira, o scooter possui roda de 15 polegadas, enquanto na traseira está equipada com roda de 14 polegadas. Sem as rodas “pequenas” de outros modelos do segmento, o veículo não vê problema em transpor pequenos buracos, apenas o efeito em suas costas não é o desejado.
Para parar todo este peso, era esperado um potente sistema de freios e é exatamente o que ocorre, com duplo disco na dianteira e um disco na traseira. O chassi torce em frenagens bruscas, mas uma parada com segurança é garantida pelos freios ABS.

O mote principal dos scooters é oferecer mais praticidade e conforto do que uma moto comum, devido ao seu maior poder de proteção aerodinâmica e espaço para bagagens embaixo do assento.
O Dafra oferece tudo isso e leva “ponto” extra pelos diversos porta-trecos e elementos de praticidade, como o botão para levantar o assento. 

Seu acabamento é bem feito, como já visto em outros produtos frutos da parceira com a taiwanesa SYM, que são Next 250 e Citycom 300i. Produzido em Manaus, ele tenta repetir sucesso do seu irmão Citycom e tem potencial e espaço para isso.
Tags: No tags

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *